segunda-feira, dezembro 18, 2006

Ótica.

De tão clara
A luz se fez Poesia
E as trevas
Intervalo dos meus olhos
Desenharam o Poema
Para que a vida
Tivesse filhos
E em mim
Os versos que gritam
Não fossem órfãos.

Eliane Alcântara.

2 comentários:

Cássio Amaral disse...

Poemas ternos e sensíveis aqui.
Cara,muito bom.
Gostei da sua forma de escrever.
Valeu tua faísca, sua força e luz.
Beijabraços.
P.S. Se tiver no orkut,me adicionei.
Meu email é: caodanado567@yahoo.com.br

Muita poesia como diz o Zumbi do Blues Linaldo Guedes.
Eu adoro BLUES.

Célia disse...

Ola Eliane, tudo bem?
Vim de Minas Gerais hoje, to muito cansada, mas foi muito bom sair de casa um pouco, pena que foi tão corrido que não deu tempo para avisar.
Fui a Muriaé a trabalho.
Um otimo começo de semana.
Célia