quinta-feira, novembro 13, 2008

27...



27...

E eu amava tanto
que virei tempo de espera
na esperança de encontrá-lo.
Restou em mim a sombra
de uma natureza morta.
Desperta-me?

Eliane Alcântara.

Um comentário:

Fernando Rozano disse...

texto muito sentido e de densidade altíssima, e revelador de uma natureza viva e desperta. belo, Eliane. Beijos.