quinta-feira, setembro 11, 2008

20...


20...

É dia de perdição,
não esqueça o que eu disse,
feche a porta
tranque no armário
dos pensamentos neutros
o que não for
parte da foda
em que me diz
passos.

E se ficar
por dentro de nós
algo a fazer
deite outra vez no chão
caía em si
adormeça pênis e vagina,
elaborados brinquedos de montar.
Acorde criação,
remonte-me
linguais carícias.

Selados princípios
jogue fora pudores
leve-me em seu passeio
carne e cavalgada,
olhos seios línguas e vai...
Revire, elabore,
entre no meio
o fim é começo,
outro gozo.

E se quiser ir adiante, atrase,
aumente o prazer
até o cúmulo,
venha conhecer do pecado
o perdão molhado.
Há intenso convite,
nova estação todos os dias,
basta abrir a janela da mente
e amar no corpo a alma
- de alma e corpo.

Eliane Alcântara.

3 comentários:

JMJC disse...

Ola Eliane q lindo poema....É dia de perdição........olhos seios línguas e vai...
Como alguem diz .até os pelos ficam tds eriçados kkkkkkkkkkkkkkk
Adorei a maneira como descreves a "acção" kkkkkkkkkkkkkkk mt bonito
bjsssssssssssss

Fernando Rozano disse...

à flor dos poros...belíssimo. beijo.

carl disse...

ola eliane que maneira linda de escrever cada vez adoro mais sua poesia beijos