quinta-feira, agosto 21, 2008

2...



2...


Quero abrir-me na condescendência de sua boca
e torturar os açoites de palavras mordidas em seu corpo nu,
pedaço másculo a incendiar-me os segredos ditos.
Ter do seu peso o prazer maior cabível em meus gemidos,
desordem total a organizar o ápice na ponta da língua.
Escorrer em sua pele o tesão de minhas alucinações,
perfumar sua carne entre cantos e recantos.
E mais insana gritar a liberdade de possuir sua alma
no delicado e total momento em que penetra meu mundo,
descobre o tom do meu suspirar e rompe o oculto mar,
essa face translúcida que de ser sua exige e come e cospe
e pede e rola e acaricia e amassa e chupa e suga e sente
e doa-se e toma e volta sempre depois do dilúvio
louca para que novamente um temporal se arme
e eu, sobrevivente, permaneça agarrada ao seu mastro,
tábua de salvação para meu sexo febril.

Eliane Alcântara.

Um comentário:

Fernando Rozano disse...

febril e belo, intenso e visceral, denso e pele, água da palavra. beijo, Eliane.