quarta-feira, agosto 27, 2008

8...



8...

Receba agora o meu sim sem altares ou sedas.
O meu sim na pureza de um amor ardente.

Não espero um álbum com fotos amareladas
ou um véu de mentiras. Prefiro ternuras.

Não ouça promessas que não faço
ou deturpe a paixão que sinto.

Estenda seus olhos no dilúvio do meu amar
e recria-me, entenda-me seqüência.

Faça-me sua lua com mel,
sabor no cotidiano a nossa espera.

Doma-me na cama, domina-me sem pressa.
Arranca os mínimos detalhes do meu pulsar seu nome.

Elo sem aliança no dedo,
aliançados no para sempre de nossas entregas.

Fica junto do meu desespero com seu sorriso,
partícula necessária para que eu viva livre.

Não espere que eu jure até depois da morte,
não morreremos tamanho é nosso viver.

Toma nas mãos o que dou sem exigir que também dê,
antes, cuide. Meu sim é mais forte que o tempo.

Estou cansada. Para agora apenas um imenso sim.
Sim a sua vontade. Acolha caso queira, eternidade.

Eliane Alcântara.

2 comentários:

JMJC disse...

Olá Eliane boa noite, obrigado por nos ofereceres mais um lindo poema, gostei mt, pena q n colokes aqui aqueles q dizes nao gostares! bjsssssssssssssssssssss e ate ao proximo kkkkkkkkkkkkkkkk

Fernando Rozano disse...

gosto imenso da intensidade da tua poesia. teus versos são envolventes e ricos, repletos de vida e de viver. beijos, Eliane.